16/01/2019

Compartilhe:

Presídio não pode ser masmorra

A crise no sistema prisional brasileiro, que é gravíssima, explica boa parte da insegurança que vivemos, sobretudo nas grandes cidades. Uma questão que atinge a todos, mas infelizmente são poucos os que efetivamente se preocupam em buscar soluções para resolvê-la. É mais cômodo tapar os olhos, varrer o problema para debaixo do tapete, pouco importando o que acontece por lá.
Dá-se, assim, um encarceramento em massa, que para muitos parece uma solução, mas que efetivamente não resolve o problema, como vem a agravá-lo. Haja vista que entre 2004 e 2014 a população carcerária praticamente dobrou, chegando a 800 mil pessoas, e não houve absolutamente nenhuma melhoria na segurança pública. Muito pelo contrário.
O punitivismo e a transformação de presídios em masmorras deveriam ser objeto de reflexão não apenas dos profissionais que militam na área, mas de todos nós, afinal, estamos muitas vezes cometendo ilegalidades e injustiças em vez de justiça, e o dever do Estado é exatamente o oposto: combater as ilegalidades e promover a justiça.

Como estes conceitos têm se mostrado bastante diferentes para o conjunto da população, infelizmente com muita desinformação em relação ao que é ou não justiça, reitero a urgência de nos atermos a uma questão mais consensual, para que a gente possa promover este debate. Além de injusto e ilegal, o encarceramento em massa é ineficaz. E a gente pretende ineficácia e mais violência ou eficácia e menos violência? Vamos refletir? Boa semana a todos. 

Facebook

Instagram @lucianobandeiraoab

Newsletter